A irresponsabilidade do Faceburg e o plágio da marca

Por conta da última postagem do blog, a empresa responsável pelo marketing do Faceburg me mandou um email com o documento que provaria o "processo judicial" da gigante norte-americana contra a sanduicheria natalense.

Como pediram sigilo com relação do documento, não vou divulgá-lo. Mas, mesmo assim, ele demonstra o quanto a ação de marketing e a tentativa de gerar um viral com relação a esse suposto processo foi falha. E  corrobora a tese: a história do processo é um factóide. 

A data do documento é do dia 16 de dezembro de 2011. Foi assinado por Sandra Leis do Instituto Dannemann Siemsen. A empresa diz ter uma procuração para falar em nome do Facebook. 

Diferente do que foi divulgado, não há ainda nenhum processo judicial em curso. O documento, que é datado bem antes do início da operação da empresa, pede que os donos suspendam o registro da marca e do nome Faceburg.

É uma notificação, um aviso, sem valor jurídico. 

De acordo com o documento, os donos da marca Faceburg estariam em um "aproveitamento parasitário" da marca da gigante norte-americana.

A questão em voga não é, apenas, o nome Face. A fonte utilizada na marca oficial é a mesma usada pelo Facebook, além da mesma cor e da letra "F", minúsculo nos dois nomes. 


A semelhança entre as duas logos é gritante. 



Outra coisa alegada é com relação ao nome Burg, que é foneticamente semelhante à palavra Book, do original. 

Diferente do que foi divulgado, não pedem que parem de usar a marca apenas por conta da palavra Face, mas porque tanto o nome quanto a marca são uma cópia lavada do Facebook. 

É, de fato, um plágio. 

Segundo os procuradores, a empresa natalense inflinge o artigo130 de propriedade intelectual.

O documento pede que a empresa não faça o registro da marca e nem a utilize em meios de comunicação. Caso o registro fosse feito e a marca, utilizada, o Facebook poderia tomar medidas cabíveis contra a utilização da marca, apenas da marca. Não fala nada com relação ao funcionamento do Faceburg, conforme erroneamente foi divulgado.

Deram um prazo de 15 dias, a contar do dia 23 de dezembro, para que houvesse uma resposta dos responsáveis pela empresa. Não sei se houve resposta. 

É bom frisar que toda essa polêmica ocorreu ANTES da empresa registrar o nome Faceburg e da sanduicheria funcionar.

A sanduicheria foi inaugurada na semana passada, quase dois meses depois da notificação.

E foram, no minimo, irresponsáveis ao plagiar a marca, não atender a notificação enviada peloos representantes do Facebook e ainda e tentar se aproveitar disso para criar um ação de marketing viral. 


A questão é que o Faceburg pode ter que mudar de marca por conta do plágio irresponsável que fizeram da marca do Facebook. Mas vai continuar funcionando. 

O blog entrou em contato com a assessoria de imprensa do Facebook Brasil e aguarda a resposta oficial da  gigante norte-americana. 


30 comentários:

  1. A irresponsabilidade foi sua cara, publicar um texto falando sobre factóide sem nenhuma prova concreta do que estava falando. Você pode ser processado por isso também. Quanto ao Faceburg, em momento algum falou-se que já estava rolando o processo, e sim que havia sido notificado e poderia ser processado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Trecho do texto divulgado:

      "O Facebook, um colosso de quase um bilhão de usuários, que tem mais de 3 mil funcionários e em breve estará captando na Bolsa de Valores 5 bilhões de dólares, já comunicou aos proprietários da Faceburg (que tem 115 metros quadrados e 7 funcionários) que vai PROCESSAR (isso mesmo, processar!) a sanduicheria natalense e impedir o seu funcionamento, alegando que a palavra “FACE” faz parte do nome da empresa."


      Até onde sei, o significado da palavra VAI é diferente do significado da palavra PODERIA.

      Excluir
    2. Se houve a notificação, então é clara a possibilidade do processo. Mas é diferente falar que vão processar (existe a possibilidade, não se pode ter como certeza que o facebook vai processar, e se eles só notificaram e desistirem depois?) , e falar que já está rolando o processo. Mas bem, lendo apenas ambos os textos, dá para notar que vc tomou um outro rumo, ou seja, nota-se claramente a incoerência das matérias. No primeiro acusa a empresa de criar factóide para uma jogada de marketing, no segundo, acusa de irresponsabilidade da empresa em continuar com a idéia mesmo sendo notificada. Uma tentiva de correção, talvez. Mas que continua com um tom de acusação, para não se perder totalmente o primeiro texto, infundado.

      Excluir
    3. Então JUSTAMENTE VAI, é futuro, não presente como você esta querendo colocar no seu texto, e tem mais, dizer que a similaridade da marca é gritante, demostra quanto vc é leigo nisso meu amigo, não tem NADA mais NADA a ver mesmo uma tipografia com outra.

      Excluir
  2. não to vendo plágio de marca nem de nome.. idiotice esse texto! querendo culpar algo que não tem!

    ResponderExcluir
  3. Ok! O #faceburg atingiu o buzz que tanto quis.
    Só que da pior forma possível. Já sabemos que vc existe.
    Amanhã iremos falar sobre o que mesmo?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E Fabio Faria?! Quem sabia que existia??? Tá pegando carona no que ele chamou de marketing forçado pra se tornar conhecido. E ainda se aproveita do nome e sobrenome ser igual ao do famoso deputado para tentar emplacar como blogueiro. Tenho certeza que vc tb tem outro sobrenome que não faria tanto sentido (como Souza, Santos, Cavalcanti), mas quis se aproveitar da semelhança. Te enxerga cara!

      Excluir
  4. Acho que mudou o foco, Fábio.

    A informação que li no blog do BG e no facebook deles foi essa:

    "Facebook, um colosso de quase um bilhão de usuários, que tem mais de 3 mil funcionários e em breve estará captando na Bolsa de Valores 5 bilhões de dólares, já comunicou aos proprietários da Faceburg (que tem 115 metros quadrados e 7 funcionários) que vai PROCESSAR (isso mesmo, processar!) a sanduicheria natalense e impedir o seu funcionamento, alegando que a palavra “FACE” faz parte do nome da empresa."

    Ou seja, o Facebook VAI processar, no futuro e não "está processando". Mas pelo que você está dizendo, é verdade, eles receberam o comunicado. O Facebook quer mesmo processar?

    ResponderExcluir
  5. sério que você viu a mesma fonte nas duas marcas? kkkkk

    ResponderExcluir
  6. sério que você viu a mesma fonte nas duas marcas? kkkkk [2]

    Não precisa nem olhar muito que já se vê a diferença entre as fontes.
    E a cor é a mesma né? a única cor similar entre elas é o branco, e se você for ver, o faceburg usa mais o roxo e amarelo, e o facebook usa o azul..
    não force não amigão.
    até.

    ResponderExcluir
  7. Annonnymus da Rattis, não divulguei o nome da empresa de vocês para não queimá-los. Poderia tê-lo feito. Mas como acho que errar, todo mundo erra, não achei que fosse interessante divulgar. Quem viu a similaridade das duas marcas não fui eu, foi a notificação enviada pelos representantes do Facebook, está tudo lá. Outra coisa, o texto atual (acho que não leram) reafirma tudo que está escrito no anterior. É factóide dizer que o Facebook vai processar, ou que está processando o Faceburg, porque não está e nem vai. A notificação é de dezembro, estamos em fevereiro e nada foi feito. O que isso significa? estão cagando e andando pro faceburg e a tentativa de criar um viral, como vocês quiseram fazer, foi um #fail tremendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A inauguração da loja foi semana passada. Por isso, acredito que nada foi feito. A pressão pelo que vi, era pra não inaugurar.

      Excluir
  8. Essas pessoas que estão falando que a marca não tem nada a ver com o Facebook provavelmente não estudaram semiótica - ou pelo menos não prestaram a devida atenção à aula. Não é somente com fontes e cores que se constrói o sentido de uma marca. Neste caso, a palavra "face", a semelhança sonora das palavras "book" e "burg", e ainda a mão em forma de clique remetem sim ao facebook e a sua logo. À princípio, gostei do cardápio da sanduicheria e acho até que é uma ideia válida ligar as redes sociais a este tipo de negócio. Mas fazer alarde que vai ser processado levando em conta uma nota extra-judicial de dezembro é sim uma jogada nada profissional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em número, gênero e grau.

      Excluir
  9. Acredito totalmente nesta matéria publicada e tenho plena certeza de que o Faceburg está sim usando esse "documento" como uma forma de marketing. De dezembro pra fevereiro foi feito o que quanto ao plágio? Rs depois quer bater boca e criar polêmica? Acorda!!

    ResponderExcluir
  10. Ai gente, me poupe!! dizer que o dono do blog ta usando o sobrenome do deputado pra se promover não tem nada a ver.. que ridi!! hahaha

    A intenção do "faceburg" de parecer com o "facebook" é tão óbvia que não é nem surpresa! A fonte é igual sim, e a intenção de parecer com a logo do "facebook" é bem clara também.

    Eu só não sei se a jogada de marketing ai foi na intenção de lembrar o "facebook" ou criar esse babado todo.

    ResponderExcluir
  11. Olha lá a data do registro no cartório (05 de janeiro de 2012), depois presta atenção no prazo pra resposta. Com essa conta besta temos aí que a resposta do faceburg deveria ter sido entregue até o dia 20 de janeiro de 2012. Depois pensa que o escritório que confeccionou o documento não é de Natal. Não é difícil, pow... É só fazer uma conta primária e vc vai ver que o lapso temporal faz bastante sentido e a preocupação do pessoal do faceburg não é infundada.

    Fábio, o factóide quem criou foi vc, meu caro. O ponto 8 da notificação deixa claro que na ausência de uma resposta em tempo hábil, a companhia tomará as medidas legais que julgar cabíveis. E a primeira vez que eu li sobre o processo já estar correndo foi no seu blog, na seguinte passagem: Falo isso depois de acompanhar um #fail de uma agência de publicidade daqui. Com o claro objetivo de gerar um viral, o Faceburg criou um factóide: dizia que estava sendo processo pelo Facebook.

    E, por fim, uma notificação extra-judicial registrada em cartório tem, sim, valor jurídico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo querido anônimo da Ratts. Sei que está puto, porque a ação foi mal pensada e não deu certo. Mas te respondo: no texto que vocês colocaram no Blog do BG, no twitter e no vídeo (muito bem feito, inclusive) a mensagem era clara: zuckerberg estaria processando o faceburg. Só que não está, como já provei aqui no blog. Não tem pra onde correr, vocês fizeram uma ação, baseada numa notificação extra judicial que não, meu caro, não tem valor jurídico. Ser registrado em cartório confere apenas a legitimidade do documento, não o valor judicial. Se fosse uma intimação ai sim seria um valor judicial, amigo. Não se preocupe, sei bem do que estou falando. A notificação deixa claro: o facebook pode processar o faceburg por conta da imitação lavada da marca, mas não diz se vai, nem quando vai, nem se foi. Fala apenas "Ei, se liguem, vocês estão nos copiando e podemos tomar medidas contra a marca". Não fala que vai fechar o estabelecimento, como vocês deixaram a entender. E pior, não fala que está processando, que processou, nem que vai processar. Informa de uma possibilidade legal. Ou seja, prova exatamente o que eu disse: a Ratts criou um boato, com base numa notificação judicial (cuja argumentação é muito boa) para se aproveitar do ponto de vista do marketing. Bingo.

      Excluir
    2. Meu caro, mais uma vez vc se perde nas suas suposições. Primeiro: não tenho nada a ver com a Ratts, aliás, não conheço ninguém de lá e só pq o nome tá "anônimo" não quer dizer que seja a mesma pessoa postando. Segundo: a menos que vc tenha algum interesse pessoal na questão, qualquer um que prestar um mínimo de atenção tanto no post do blog, quanto no vídeo e etc vai ver que a menção que se faz é que o facebook IRIA processar o faceburg. Coisa que ainda não aconteceu, mas vc interpretou mal o que foi veiculado, achando que as notícias davam a entender que o processo já estava correndo. Acontece. Outra: a questão do valor jurídico... Já que vc sabe bem do que está falando, deveria saber que documentos registrados em cartório são meios de prova extremamente confiáveis e dotados de maior credibilidade do que outros, apesar de não possuir valor coercitivo. Mas, felizmente, o direito não se faz só judicialmente, boy. Mas isso é uma questão um pouco mais complexa. O que vale deixar registrado aqui é que vc deveria ter procurado o pessoal do faceburg antes de ter publicado suas suposições. Pra mim a mensagem também era clara: Zuckerberg estava ameaçando tomar medidas judiciais cabíveis, caso o faceburg não desistisse de sua marca. Que o processo já estava correndo, foi invenção da sua cabeça.

      Excluir
    3. Anônimo da Ratts, não adianta tentar desfazer a besteira que fizeram. Olha só: "O Facebook, um colosso de quase um bilhão de usuários, que tem mais de 3 mil funcionários e em breve estará captando na Bolsa de Valores 5 bilhões de dólares, já comunicou aos proprietários da Faceburg (que tem 115 metros quadrados e 7 funcionários) que vai PROCESSAR (isso mesmo, processar!) a sanduicheria natalense e impedir o seu funcionamento, alegando que a palavra “FACE” faz parte do nome da empresa"

      O trecho está claro, fora os tweets: "Facebook quer impedir sanduicheria em Natal para funcionar". http://bit.ly/x2nDe6 (NÂO QUER IMPEDIR, só notificou, ANTES da sanduicheria abrir, para que não se fizesse o REGISTRO de uma marca que é uma cópia lavada do Facebook. Tá dificil de entender, ou quer que eu desenhe?)

      O video é: "Coisas que o facebook deveria fazer ao inves de PROCESSAR o faceburg". O Facebook não processou e nem vai, pelo menos por enquanto, processar o faceburg. Foi má fé utilizar uma notificação extra judicial para tentar viralizar uma coisa sem sentido.

      A intenção de ludibriar o cliente foi clara e vil, Anônimo da Ratts.

      Meu interesse na matéria é um: falar o quanto uma ação de marketing digital mal pensada é ruim e nociva e não agrega nada ao cliente e pega mal na internet, como já estava pegando até antes de eu postar aqui.

      Excluir
    4. Bom... Se vc não quer acreditar que eu sou uma pessoa completamente leiga em termos de publicidade e, definitivamente, não sou funcionário, nem dono, nem simpatizante, nem porra nenhuma de qualquer empresa de publicidade, o problema é realmente todo seu. Mas pra não prejudicar alguém só por causa de uma postagem, afinal, o pessoal da ratts pode ficar realmente chateado se vc continuar achando que é algum deles que tá fazendo esses posts, pode me mandar um e-mail, se quiser: daniel.euzebio.pinheiro@gmail.com, pode procurar em redes sociais também, fique a vontade.

      E eu vou ter de, novamente, discordar e dizer que o mais irresponsável disso tudo foi vc. Eu to pouco me fodendo pra Ratts. Mas eu tenho certeza absoluta que vc não se deu ao mínimo trabalho de perguntar ao pessoal do faceburg o que realmente estava acontecendo, se o temor deles era infundado ou não e, como não entende absolutamente nada sobre direito, tá subestimando a notificação (pensando que é como aqueles bilhetinho de escola) enviada pelo facebook e achando que foi tudo uma tempestade num copo d'água pra "criar um factóide" e enganar o consumidor, quando na verdade, há possibilidades reais de o faceburg sofrer uma retaliação por parte do facebook e ser sim processado. E mais uma vez, interprete com calma o que tá escrito e vc vai perceber que em nenhum momento houve referência a um processo judicial EM ANDAMENTO. "tentar impedir de funcionar", "vai processar" e "coisas que o facebook deveria fazer ao inves de..." não implicam necessariamente que o processo está correndo. Isso foi coisa da sua cabeça, jovem.

      Mas enfim... Só tinha entrado nessa discussão pq tinha achado uma injustiça com o pessoal do faceburg e dela me retiro agora. Afinal, discutir com gente prepotente é HAAAAAAARD!

      Excluir
    5. Primeiro: ficou feliz em se identificar, contribui para o debate.

      Segundo: O primeiro sintoma de alguém que não tem argumentos é atacar o argumentador, que é o que você fez.

      Está tudo provado aqui no blog e nos comentários, a empresa de marketing do Faceburg, a Ratts, tentou ludibriar os usuários para criar um viral. Não deu certo. Ponto.

      Em nenhum momento o texto, o video divulgado, nem o material da campanha falava em POSSIBILIDADE de processo, mas sim em PROCESSO. O que é bem diferente.

      Excluir
  12. Eu ri com essa do Fabio Farias está plagiando o deputado. kkkkkkkk

    Mas, uma pergunta, Fabio: você é vegetariano? Algo contra os donos do Faceburg? Contra a matança de vacas para fazer hamburgers? Sério, eu queria entender qual foi a implicância. Porque isso não é jornalismo. Não mesmo!

    Se os caras fizeram uma estratégia de marketing, E DAÍ? Se o Facebook ameaçou, ou AINDA vai, ou sei lá, tá processando o Faceburg, e daí, cara?? Usa esse seu SUPER FARO jornalístico para descobrir onde os bandidos que fugiram de Alcaçuz estão escondidos - muito melhor! E aí sim você vai fazer com que teu blog ganhe respeito.
    Porque, sério... Todo mundo tá comentando sobre o seu blog, mas não de forma positiva. Pensa nisso, man!


    ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julieta,

      Não sou vegetariano. Aliás, gosto muito de carne e sanduiche e planejava, até, visitar o Faceburg antes dessa polêmica toda. Como já disse, não tenho nada contra empresa, nem contra a Ratts.

      Tenho tudo contra boatos.

      Jornalismo é o exercício de desvendar a verdade. A trapalhada da agência de marketing do Faceburg é séria e foi feita para ludibriar o usuário.

      Eu percebi e simplesmente demonstrei a mentira aqui no blog. Não sou detetive, nem policial para descobrir para onde fugiram os presos de Alcaçuz.

      Mas, como jornalista, tenho compromisso com a verdade. Doa a quem doer :)

      Excluir
  13. Bem, o que eu sei é que já fui lá muitas vezes e comi uma comida delííciosa e de muito bom gosto! Fui muitissimo bem recebida e ao contrário do que você publica aqui, desde o inicio entendi que eles haviam recebido uma notificaçãoe não que já estariam sendo processados...

    ResponderExcluir
  14. Esse Fábio é um babaca... quer pegar carona na polêmica do faceburg!

    ResponderExcluir
  15. Eu tive problemas em registrar uma marca porque nas políticas de uso de marca do Facebook eles deixam bem claro "Nunca misture o seu nome com o nosso nome e nem faça derivações. Eles estão protegendo a propriedade intelectual deles, é possível e é de direito. Está clara a intenção da lanchonete em pegar carona no sucesso da rede social. Você alem de ver descaradamente a palavra "FACE" vê um cursor de mouse, ou seja, é sim uma ação de parasitismo.

    O Faceburg tem que mudar isso agora.

    ResponderExcluir
  16. vcs vão tudo morrer por essa merda de discução Mark zuckerberg está cagando pra vcs e vcs discutindo merda vão fazer algo de futuro pelo amor de Deus

    ResponderExcluir
  17. Só sei de uma coisa: pode mudar o nome, pode mudar o endereço, vc pode ir pro espaço mas o sanduíche de lá não vai deixar de ser bom por isso e nem os donos de lá vão deixar de ter sucesso por causa da sua invej... digo, reportagem.

    :)

    As vezes em que fui lá eu fui bem atendida, saí quase rolando do tanto que comi e minha carteira ficou pouquíssimos trocados mais pobre.

    Olhe o guia Veja 2013 e dê 1000 chiliques pq ninguém deu crédito à sua 'matéria' :***

    ResponderExcluir